sábado, 14 de maio de 2016

Entrevista com o prof. Wellington Cidade, da ETEC Basilides de Godoy



A ETEC “Basilides de Godoy”, na Vila Leopoldina, em São Paulo, foi reaberta no dia 12 de maio de 2016, por iniciativa dos alunos, pais e funcionários, após ter ficado invadida durante dez dias.

A Reaçonaria esteve na escola no dia seguinte. Conversei com o professor Wellington Cidade, Coordenador de Informática. Quando cheguei, havia um carro da Polícia Militar estacionado em frente à entrada. Um segurança perguntou quem eu era, com quem iria falar e qual o assunto. O clima era de alerta. Enquanto conversávamos, uma pessoa da Secretaria fazia a relação dos pais que se ofereceram para ficar de vigília na escola, se necessário. O professor me passou fotos dos computadores vandalizados, mas não imagens dos alunos limpando e arrumando o que foi danificado, para não expô-los. Segue a entrevista.

Professor Wellington Cidade
Reaçonaria: Quantos invasores estavam dentro da ETEC quando houve a retirada?

Professor Wellington Cidade: De dez a doze pessoas, no máximo.

Reaçonaria: A identidade das pessoas que invadiram é conhecida? São alunos?

Prof. Wellington: Tínhamos, no máximo, três alunos. O resto era tudo desconhecido. Muitas pessoas desconhecidas, durante a semana toda.

Reaçonaria: Como aconteceu a reabertura da escola? O sr. estava presente?

Prof. Wellington: Sim, eu estava presente. Na verdade, eles estavam permitindo a entrada dos alunos do noturno e de alguns professores. Direção e Coordenação não podiam entrar. Os alunos e os pais do diurno e do noturno não achavam isso justo.

Então fizeram uma grande manifestação. Marcaram de se reunir no dia 12 às 17h00. Vieram muitos pais e muitos alunos do diurno que não podiam assistir aulas. E nessa, começaram a falar “Não, a escola é nossa” e entraram. Quebraram os cadeados e foram entrando. Fizeram uma corrente e foram tirando todas as coisas deles aqui de dentro e colocando lá fora. E foram tirando os outros um a um, sem violência. Claro que houve bate-boca, mas nada que machucasse alguém. Não teve nada assim.

Reaçonaria: Houve resistência? Eles tiveram alguma dificuldade de tirar os invasores?

Prof. Wellington: Muita, muita. Os alunos do Médio, que são da mesma faixa etária que eles, fizeram uma corrente e foram empurrando-os até o final do corredor. Foram levando, fizeram uma corrente igual a polícia faz, o Choque, e foram levando para fora.

Reaçonaria: Os pais e os alunos estavam bem preparados para fazer isso ou foi uma coisa decidida no momento?

Prof. Wellington: Não, foi uma coisa decidida na hora. Eles vieram para fazer uma manifestação. Mas todo mundo quis entrar. Todo mundo quis os mesmos direitos. Se eles podem estar lá dentro, os alunos acharam que também podiam. Quando entramos, nos decepcionamos. Muita bagunça, muita coisa quebrada. Roubaram discos rígidos de servidores, mexeram nas câmeras. A Coordenação estava completamente fora de ordem e a Secretaria, destruída. Tinha alguns materiais, eu não sei se eles queriam fazer tochas. Ainda está muito judiado aqui, muito bagunçado. Tinha colchões espalhados, fizeram muitas barricadas com carteiras e mesas. Tinha também muita comida que eles ganhavam de doação, daria para mais ou menos uns dois meses.

Reaçonaria: Será que é possível punir os responsáveis pelos furtos e pelas depredações?

Prof. Wellington: Olha, a maior parte deles nós não sabemos quem são.

Reaçonaria: Mas e os alunos envolvidos? É possível puni-los?

Prof. Wellington: A escola ainda vai decidir sobre isso. O Conselho da escola é que vai decidir o que vai fazer. Ainda devemos receber orientações do Centro Paula Souza. O governador quer saber quem foram as pessoas que invadiram a escola.

Reaçonaria: Vocês estão preparados para impedir que eles voltem?

Prof. Wellington: Sim, nós contratamos segurança privada e estamos tendo apoio da Polícia. O governador deu o aval e a Polícia pode retirar qualquer invasor. Além disso, estamos preparados com seguranças e, se alguém entrar, vamos chamar a Polícia e a Polícia vai tirar. Eles têm de ser retirados em até 24 horas.

Reaçonaria: Que mensagem você tem a dizer sobre tudo o que aconteceu na ETEC “Basilides de Godoy”?

Prof. Wellington: É muito triste, é uma situação triste, porque nós sabemos que os jovens têm total direito de reivindicar, de fazer suas manifestações, como eu mesmo disse a eles, eles têm o direito a isso. Porque faz parte você se manifestar e buscar os seus direitos. Mas existem maneiras, formas de você fazer isso. Não ocupando, destruindo coisas, e acabar queimando a imagem da escola. Não é assim, existem outras maneiras. Fico muito triste com essa situação.

Servidor cujos HDs foram furtados pelos invasores

3 comentários:

  1. Interessante seria saber qual o interesse dessas pessoas desconhecidas na escola.

    ResponderExcluir
  2. Interessante seria saber qual o interesse dessas pessoas desconhecidas na escola.

    ResponderExcluir